Perda de alimentos por falta de ventilação natural adequada

Temperatura inadequada e umidade do ar são principais fatores de risco

 Empresários e profissionais do ramo alimentício – seja da etapa de fabricação, processamento, armazenamento ou comercialização – sabem que um dos itens mais importantes do controle de qualidade é a conservação adequada dos produtos. Critérios como data de validade, acondicionamento e até mesmo o estado da embalagem fazem parte do checklist básico e são minuciosamente observados a fim de garantir qualidade e segurança ao consumidor. Contudo, há um item que não foi mencionado nessa lista, mas que também merece atenção redobrada. Trata-se da ventilação adequada e higiênica do ambiente.

É muito comum que as estruturas físicas de galpões de armazenamento (os chamados centros de logística) e até mesmo os supermercados sejam construídos de forma que não ocorra a entrada de ventilação natural, o que impacta na temperatura, na umidade e na qualidade do ar. No caso de alimentos perecíveis congelados, como carne e laticínios, por exemplo, há normalmente um cuidado em mantê-los em câmaras frias e refrigeradores, por outro lado, hortifrutis e grãos sofrem o processo de amadurecimento, que pode ser antecipado caso as condições do ambiente não estejam favoráveis. Isso sem contar os alimentos não perecíveis, que podem facilmente estragar caso não sejam estocados em local adequado.

Nesse sentido, por se tratar de um produto sensível à saúde do consumidor, todo tipo de cuidado é fundamental e qualquer sinal de dano que comprometa a qualidade do alimento é motivo para que ocorra o descarte. Ou seja, prejuízo financeiro para o empresário. Por isso, listamos os principais cuidados que devem ser tomados com os principais gêneros alimentícios e também apresentamos uma solução eficaz para este problema.

 

Carnes e laticínios: são produtos que necessitam de resfriamento para que sejam mantidos conservados e aptos ao consumo. Para isso, é importante que haja controle de temperatura constante nas câmaras frias e freezers, mas, sobretudo, que a temperatura do supermercado também seja controlada. Ambientes muito quentes, abafados e com pouca circulação de ar prejudicam a manutenção da temperatura adequada dos freezers de laticínios, que geralmente são abertos. Isso pode resultar em dano ao produto, sem falar no aumento no consumo de energia elétrica e na exigência maior de funcionamento dos equipamentos de refrigeração, diminuindo consideravelmente a vida útil desses aparelhos.

 

Hortifrutis: as frutas, legumes e verduras geralmente ficam armazenadas sem nenhum tipo de resfriamento ou embalagem que ajude a manter a temperatura. No caso desse gênero alimentício, a melhor maneira de conservar o produto e evitar que amadureça de forma precoce é mantê-los em ambiente ventilado, com temperaturas preferencialmente mais baixas e com umidade média. É importante destacar também que, por estarem expostos, é essencial que a qualidade do ar esteja adequada.

Grãos: assim como os hortifrutis, os grãos e sementes, quando vendidos a granel, devem ser mantidos em locais frescos e bem ventilados, mas neste caso com pouca umidade. O excesso de umidade pode promover um ambiente propício para o surgimento de fungos e alterar a estrutura fisiológica do produto, fazendo com que ocorra uma espécie de apodrecimento ou envelhecimento precoce.

Não perecíveis: os produtos enlatados e embalados geram a falsa sensação de que não precisam de tantos cuidados quanto os alimentos perecíveis. Em partes, isso até é verdade, mas não muda o fato de que podem ser danificados se estocados de maneira inadequada. Os alimentos não perecíveis também precisam ser armazenados em ambientes com pouca umidade e temperatura mais amena. O calor e a umidade danificam primeiramente a embalagem (principalmente as de papel), o que também propicia a proliferação e fungos.

 

Como evitar a perda de alimentos durante o armazenamento

Tendo em vista os principais fatores que prejudicam a qualidade do produto, é recomendado que sejam realizados constantemente o controle de temperatura e de umidade do ambiente. Para resolver a questão da ventilação do ambiente e os problemas causados por isso, é indicado que seja investido em um sistema de ventilação natural, que além de manter o ambiente com temperatura agradável e propícia para a conservação dos alimentos, também auxilia na manutenção da umidade adequada e na higiene do ar.

A Engepoli – Sistemas Sustentáveis possui projetos de ventilação natural destinados a galpões de armazenagem e supermercados cujo sistema é 100% natural, sem consumo de energia elétrica, com excelente custo-benefício e nenhuma manutenção. 

Para saber mais, baixe gratuitamente o nosso e-book Ventilação Higiênica”, no qual são apresentadas informações importantes sobre o sistema de ventilação natural, suas vantagens e processos de instalação. Acesse clicando aqui.

COMPARTILHAR
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email