Os efeitos biológicos da luz no ser humano (e porquê você deve ligar para isso)

Um dos elementos da natureza que podem ser usados para gerar projetos sustentáveis é a iluminação natural. Já batemos nessa tecla há bastante tempo e no post de hoje vamos elencar os efeitos biológicos que a luz tem no organismo humano. De acordo com a pesquisadora Cláudia Rioja, “a luz é um potente agente biológico e terapêutico, fundamental para a vida em nosso planeta. Sem ela não seriam possíveis muitos processos metabólicos que resultam em crescimento, comportamentos e percepção do ambiente. Descobertas recentes apontam para um novo sistema sensório no olho que detecta os efeitos da luz e age diretamente na atividade neurocomportamental humana. Partindo desse fato, atualmente busca-se estabelecer parâmetros no que se refere às relações da arquitetura e iluminação de ambientes associados a saúde e bem-estar dos usuários. Esses pontos também levam em consideração aspectos de performance, conforto visual e da apreciação estética do espaço. A visão e a consequente percepção da luz são as principais responsáveis para que o ser humano apreenda o espaço ao seu redor e suas qualidades são determinantes no comportamento do indivíduo em suas relações com o espaço e vice-versa. “Para os envolvidos com projetos de arquitetura e iluminação, o foco de interesse deve estar nas relações da produção de melatonina com os ciclos claro/escuro e em como as interferências causadas pelos ambientes iluminados natural e artificialmente, além de sua relação com a redução de níveis de cortisol e adrenalina”, pontua Cláudia. Pontos como esses precisam estar em pauta em projetos de iluminação para empresas e comércios, pois tanto os efeitos da luz natural quanto da luz artificial influenciam na interação do indivíduo com o ambiente construído. Os estudos na área comprovam que a luz aumenta a agilidade e o desempenho, tanto de dia quanto de noite e influencia as funções regionais do cérebro. Com o mundo moderno e o uso constante de iluminação artificial, pouco se levou em consideração o quanto essa luz alterou o ritmo circadiano  de 24 horas dos seres humanos, ou seja, suas relações com o dia e a noite. “O funcionamento adequado do relógio circadiano humano é importante para a vida saudável”, complementa Cláudia. No que se refere a conforto visual há vários critérios relativos à percepção visual, como contrastes, ângulo de visão, ofuscamento e níveis de iluminamento. Todos eles podem interferir consideravelmente nas atividades produtivas e provocar desajustes à saúde, influenciando na avaliação e, consequentemente, nas relações afetivas travadas com o lugar, sejam elas positivas ou negativas. É importante levar em consideração que efeitos se está projetando em clientes e colaboradores devido ao tipo de iluminação utilizada em seu estabelecimento e/ou empresa. Os níveis de de iluminamento e distribuição da luz nos ambientes contribuem para a distribuição das pessoas e dos grupos em função de personalidade, tarefa e ambiente.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp